14 dicas para abrir um restaurante com pouco dinheiro!

Por Miriam Barros

Esse título pode até parecer pegadinha, mas acredite: não é! Realmente é possível abrir um restaurante com pouco dinheiro e neste artigo te mostraremos como.

Abordaremos 14 dicas valiosas para tirar do papel o seu sonho de ser empreendedor!

De início, é bom destacarmos que o ramo da alimentação costuma ser muito competitivo. 

Por outro lado, estamos falando de um mercado muito amplo, afinal se alimentar é uma necessidade básica e diferentes dietas surgem a cada dia.

Ao longo do tempo, essa necessidade passou a ser também sinônimo de estilo de vida, cultura e identidade.

De modo geral, sabemos que comida é um produto que sempre será procurado. Afinal, enquanto houver fome, existirá a busca por uma boa refeição.

Para atender às diversas demandas que a alimentação passou a ter, hoje há restaurantes dos mais variados nichos, principalmente se pensarmos que existem clientes com muitas particularidades alimentícias, incluindo alergias, dietas restritivas e intolerâncias alimentares.

Com o amadurecimento do mercado, é comum vermos espaços voltados para públicos-alvo específicos, e assim há diferentes tipos de restaurante: 

  • Saudável; 
  • De comida vegetariana e vegana; 
  • Especializados em sobremesas; 
  • Cafés;
  • Comidas étnicas e regionais; 
  • Slow food; 
  • Fast food… enfim. São tantas vertentes que, mesmo sem parecer, existe espaço para todo mundo!

Apesar do ramo alimentício possuir uma gama de possibilidades e de públicos, do lado do empreendedor, sabemos que os primeiros passos para criar um negócio próprio são árduos, principalmente quando pensamos no custo do investimento.

Afinal, são vários gastos envolvidos: contratação de equipe, espaço, mão de obra, estoque, logística, gestão, marketing - etapas que dependem até de especialização para não colocar o empreendimento em risco.

Outro ponto que pesa na balança é o retorno a longo prazo, que exige esforços consistentes e contínuos. Isso porque o lucro de qualquer empreendimento não acontece logo após a sua abertura, salvo pouquíssimos casos.

Leva-se tempo para construir uma marca, um público, uma reputação. E enquanto isso não acontece, as contas não param de chegar e sem um plano inteligente, as portas podem fechar mais cedo.

Por isso, muitos empreendedores iniciam seus negócios com a conta no vermelho, contando com o desenvolvimento de seu restaurante para que, em algum momento, estes gastos sejam revertidos em lucro.

Entretanto, este não é um cenário de terra arrasada e nem desmotivador. Com dedicação, paciência, organização e alinhamento do investimento disponível com o necessário, é possível caminhar rumo ao sucesso. 

Para te ajudar nesta jornada, separamos dicas e boas práticas que precisam ser aplicadas de maneira estratégica.

Acompanhe a leitura e veja como abrir um restaurante com pouco dinheiro e garantir a longevidade do seu negócio.

Vamos lá? #ConfereAi!

Neste post, você vai ver…

14 dicas para abrir um restaurante com pouco dinheiro

Reiterando, abrir um restaurante – assim como qualquer outro negócio – exige um bom planejamento e uma gestão capaz de executá-lo com eficiência.

Quando há pouco dinheiro para investir, essa tarefa se torna mais desafiadora, mas não impossível.

Portanto, veja as dicas a seguir, analise seu cenário e busque aplicá-las de acordo com suas demandas.

 

1. Pense na possibilidade de começar com delivery

Atualmente, com o boom dos aplicativos voltados para entrega de refeições, é comum nos depararmos com restaurantes que não possuem "unidade física", um lugar para clientes desfrutarem a refeição fora de casa.

Com um orçamento limitado, é muito mais fácil começar trabalhando apenas com delivery, pois muitos gastos são evitados neste primeiro momento.

Um negócio atendendo só na modalidade delivery pode ser operado dentro da cozinha de sua própria casa, e por meio do serviço de entrega, você pode criar um público sólido e ir crescendo com o tempo.

Isso permite que, em um futuro próximo, você possa investir em uma unidade física do seu estabelecimento, ou não, afinal, este é um nicho de mercado bem rentável. Veja só!

Dados de pesquisa de 2020 mostram que antes da quarentena 49% dos estabelecimentos comerciais no Brasil utilizavam o serviço de entrega. 

Esse número cresceu. 81% que aderem à modalidade e pretendem continuar mesmo após o período pandêmico.

Especialistas do setor estimaram que haveria um crescimento de 30% no número de usuários ativos em plataformas de entregas, no período de março e abril de 2020.

Entretanto, o aumento foi muito maior que o esperado e atingiu 155%! Em consonância, a quantidade do aumento de pedidos mensurados foi 975% maior.

Segundo a Statista, no segmento de delivery na América Latina, o Brasil foi destaque ao ser responsável por 48,77% da quantidade de entregas feitas por plataformas digitais.

Não por acaso, em 2021, a previsão é de que o delivery tenha movimentado US$ 3,8 bilhões somente no Brasil.

E para os próximos anos, a expectativa segue positiva: de 2022 e 2025, espera-se um crescimento de 12,69% na taxa média anual de expansão do setor.

Assim, aderir ao delivery não é mais um “plus” dos restaurantes físicos, mas também uma oportunidade para pequenos negócios. 

 

2. Opte por um cardápio pequeno

Acredite: clientes percebem quando estão pagando por um prato com ingredientes de "segunda". Isso pode manchar a imagem do restaurante e, consequentemente, diminuir a clientela.

Pense que menos é mais e reduzir o cardápio para conseguir ofertar ingredientes de qualidade pode ser o diferencial no resultado da sua comida. 

Assim, faça as contas e veja o que mais vale a pena, pense em se diferenciar e também como isso pode ser utilizado ao seu favor.

Dê preferência também a uma quantidade menor de itens que são perecíveis, pois o gasto de armazenamento e compra recorrente destes alimentos podem ser um problema para as suas economias no início de seu empreendimento.

 

3. Seja realista

Isso é um fato: se o seu orçamento é limitado, você não pode se planejar para um investimento em um restaurante de grande porte.

Pense em uma balança que deve se manter em equilíbrio: o porte do seu empreendimento deve ser proporcional à quantia de dinheiro que você tem disponível para investir.

Obviamente, temos a tendência de sempre olhar adiante, o que é extremamente positivo em casos que necessitam de uma certa perseverança do empreendedor (ou seja, sempre!).

Mas, não se desespere.

Se você buscar ser realista, calculista e não dar passos maiores que as pernas, certamente vai assistir seu restaurante crescer aos poucos, à medida em que sua receita também crescer.

Portanto, acompanhe de perto os dados da empresa, como fluxo de caixa, estoque, vendas, concorrência, oportunidades de negócios, essas informações te ajudarão a dar passos calculados.

 

4. Encantar os clientes é essencial

Atrair clientes novos é um custo muito maior do que manter um cliente antigo fiel.

Isso porque, quando existe um cliente que já demonstrou uma fidelização à você, é muito mais simples acompanhá-lo do que buscar ganhar novos clientes.

Até porque, convenhamos, quantas vezes você já teve uma boa experiência em um local e quis compartilhá-la com seus amigos e familiares? Uma coisa puxa a outra!

Além disso, um estudo mostra que reter 5% da base de clientes pode gerar um lucro de 25% até 95% do faturamento. 

Por isso, busque ter uma carteira de clientes com dados relevantes e mantenha-se próximo deles de diversas formas: oferecendo atendimento personalizado, entregando os famigerados "mimos" (o que, atualmente, é algo que pode resultar em respostas realmente positivas, pois as pessoas adoram divulgar essas ações em redes sociais, por conta própria).

Este tipo de comportamento faz com que os clientes sintam-se queridos e reconhecidos por sua marca, resultando em seu retorno, seja de forma física ou virtual, a depender do seu tipo de estabelecimento.

 

5. Saiba em quais horários o estabelecimento deve funcionar

A cada hora que passa, mais custos são adicionados às contas a pagar do seu estabelecimento, isso significa que restaurantes que funcionam durante um turno todo ou em mais de um possuem gastos adicionais.

Por isso, reflita sobre a essência de seu negócio e pense se deve, de fato, abrir em mais de um turno de acordo com seu orçamento. Alguns restaurantes, por exemplo, não abrem, sequer, todos os dias.

Então, é importante calcular os custos da sua operação como um todo, e chegar a um horário de funcionamento que não vá gerar prejuízos que impeçam o restaurante de crescer.

Para chegar nesta conclusão, faça testes, analise as épocas do ano com maior e menor rotatividade, acompanhe de perto as oportunidades, e claro, as características de consumo do seu público-alvo.

 

6. Estude as possibilidades de ser um franqueado

Dependendo do que o empreendedor de fato almeja com o seu restaurante, a possibilidade de ser um franqueado pode ser interessante.

"Depende" pelo fato de que muitas pessoas sonham em abrir um estabelecimento de um jeito único e planejado, de acordo com os seus interesses próprios em relação à ambiência, cardápio etc.

Mas, se você não for tão apegado a essas ideias e quiser apenas empreender sem tanto risco de errar, franquias são uma ótima opção.

Isso porque a marca que você vai trabalhar já é conhecida no mercado, ou seja, elimina-se o trabalho de construção da imagem, captação de clientes e branding.

Ao investir em uma franquia, você recebe todo o apoio necessário da empresa para que seu negócio seja rentável e um sucesso.

Existem milhares de franquias à disposição para investimento e muitas delas costumam ter um custo baixo para serem abertas.

Essa opção pode ser muito mais acessível para o seu bolso. No fim das contas, estamos falando de uma ótima forma de adquirir experiência, além de uma oportunidade para juntar dinheiro para abrir seu próprio negócio com marca própria, caso queira.

 

7. Procure investidores

Muitas vezes a ideia e o sonho de um empreendimento estão acompanhados de uma disposição financeira abaixo do mínimo necessário para torná-los realidade.

Além de ajudarem a impulsionar seu empreendimento, investidores também podem ser grandes parceiros, e ajudarem na gestão financeira, por exemplo, ou apoiar em outras áreas.

Para isso, você pode buscar investidores considerando algumas pessoas, locais ou modalidades de captação de recursos. Veja abaixo:

 

Amigos e familiares

Se você possui pessoas que acreditam em sua ideia e possuem recursos para torná-la realidade, considere pedir por este investimento. 

Pessoas próximas tendem a negociar de forma menos burocrática e isso pode ser de grande ajuda no início de sua jornada.

 

Crowdfunding

Não são só seus amigos e familiares que podem acreditar na sua ideia. A partir do momento em que você divulga ela e cria um crowdfunding, qualquer pessoa pode ser um doador. 

As quantias doadas podem ser pequenas ou exorbitantes, o que importa é que no final você pode se surpreender com quanto apoio pode encontrar em crowdfunding.

Existem diversas plataformas famosas, cada uma com suas políticas e tipos de públicos com seus próprios interesses.

Podemos citar Kickstarter, Indiegogo, entre outros. Mas, para conseguir um bom financiamento, é preciso também fazer um bom plano para divulgar sua campanha.

Isso é importante para mostrar aos usuários da plataforma que seu restaurante tem potencial e que investir nele será uma boa ação. 

 

Investidor-anjo

Algumas pessoas possuem dinheiro de sobra para investir em novos negócios. Alcançar estas pessoas e fazê-las acreditar em sua ideia é o fator decisivo para conseguir um investidor-anjo. 

Busque pessoas que estão relacionadas com o seu ramo, monte um bom planejamento de negócio e apresente-o.

Investidores-anjo, em suma, são pessoas dispostas a serem parceiras de negócios, aportando recursos para um retorno futuro. 

Lembre-se que é preciso fazer um planejamento consistente para reforçar o potencial do restaurante e levar em consideração todos os pontos relativos à saúde financeira do negócio.

 

8. Invista nos equipamentos ideais

Cozinhar em um restaurante, para servir uma demanda específica, é muito diferente do que cozinhar em casa.

Por isso, você tem que pensar em investir nos equipamentos adequados para este tipo de operação.

Eletrodomésticos utilizados em casas comuns não dão conta do que é necessário para servir um público maior do que o número de pessoas que convivem com você.

O investimento em equipamentos adequados certamente é muito mais caro, e muitas vezes os empreendedores tendem a querer economizar neste processo.

Não faça isso!

Se você quer oferecer um serviço e produto de qualidade, realmente precisa investir nos melhores equipamentos para que a operação possa fluir.

Produtos de má qualidade podem parecer baratos no ato da compra, mas eles vão quebrar com mais facilidade, requerendo manutenções constantes, ou seja, mais gastos.

Sendo assim, pense sempre que por mais exorbitante que o custo seja, é necessário seguir pelo caminho certo, sem buscar alternativas baratas para compensar o trabalho principal de seu estabelecimento, que é criar refeições de qualidade para seus clientes.

Neste sentido, identifique as prioridades para distribuir bem os recursos disponíveis.

 

9. Trabalhe o seu marketing

Com um custo reduzido, a internet se mostra o ambiente ideal para aqueles que não possuem tanto dinheiro para investir nas chamadas mídias tradicionais (televisão, rádio, jornal).

As redes sociais, por sua vez, se tornaram, cada vez mais, um espaço aberto para que diversas marcas possam se promover, facilitando as vendas e aumentando a carteira de clientes.

Empresas que hoje não se empenham nas plataformas, estão perdendo muitas oportunidades, tais como: alcançar novos públicos, criar uma comunidade, criar credibilidade e prova social.

Uma pesquisa mostra, inclusive, que 54% dos consumidores seguem perfis das marcas preferidas e 21% dos consumidores buscam as páginas das lojas que irão consumir.

A boa notícia é que o mercado brasileiro está mudando. Outro estudo da CETIC.BR aponta que 57% das empresas pesquisadas utilizam as redes para realizar vendas online. 

Em 2019, por sua vez, uma pesquisa revelou que 44% dos consumidores ouvidos tiveram seu comportamento de compra influenciado pelo Facebook, enquanto 26% dos usuários afirmaram comprar itens de propaganda na rede.

Já o Instagram, segundo dados próprios, mostrou que 70% dos consumidores dizem procurar itens na rede, enquanto 52% já compraram a partir de descobertas no Instagram.

Na internet existem outras vantagens, com destaque para a facilidade de criar uma segmentação mais elaborada para o público que você deseja atingir.

Cada rede social possui suas regras e possibilidades de direcionamento. Algumas mais complexas do que as outras, mas sempre é possível segmentar sua mensagem por localização, gênero, idade, interesses e etc.

Por isso, considere criar uma página no Facebook, um perfil no Instagram, e abusar da linguagem visual. 

Os formatos de vídeo e imagem ganham ênfase no consumo e no dia a dia dos internautas, e você pode utilizar isso a seu favor com fotos atraentes de refeições que foram criadas em seu estabelecimento.

Também é interessante dividir com sua audiência um pouco do dia a dia no restaurante, mostrando a equipe, preparações de pratos e momentos descontraídos para humanizar a sua marca.

Com o tempo você vai perceber qual é o perfil de seu público e adaptar a linguagem da sua marca para estas pessoas!

Além disso, é possível utilizá-las como apoio para divulgação e interação com clientes ou como próprio local de venda.

É importante lembrar que você não precisa necessariamente ocupar todas as redes para ser visto. Antes de tudo, analise em quais canais o seu público-alvo está mais presente e, aí sim, se dedique a construir sua presença nestes.

 

10. Especialize-se antes de começar!

Não é necessário investir grandes quantias de dinheiro para se especializar na área do empreendedorismo e alimentação.

É interessante buscar conhecimento nestes dois ramos para que você possa ter controle e consciência dos passos que está dando em seu negócio.

Busque em sua cidade os cursos, workshops e especializações disponíveis. É neles que você vai encontrar dicas valiosas, além de trocar ideias com pessoas inseridas no mercado e que podem te auxiliar com soluções que você não havia pensado por conta própria.

Estes cursos também vão te auxiliar a lidar com problemas de finanças no futuro e te preparar para o gerenciamento de crises.

Além de tudo isso, você terá uma base de conhecimentos jurídicos e de gestão de negócios extremamente importante para o sucesso e abertura de um restaurante.

 

11. Afaste-se dos negócios que estão em moda

Yogurt frozen, paleterias mexicanas, são negócios que, durante um certo período de tempo, estouraram no país.

Em todo lugar que se andava, era possível encontrar diversos estabelecimentos voltados para este tipo de produto.

O problema é que, por ser moda, a quantidade de estabelecimentos realmente foi muito grande, só que a busca durou somente enquanto a moda estava em alta.

A partir do momento em que as vendas foram caindo e os públicos se esvaindo, estes estabelecimentos desapareceram.

É possível, obviamente, lucrar muito durante o período de moda.

Mas o que é mais vantajoso? Um lucro esporádico, pontual, e que não se repete, ou um lucro consistente, balanceado e duradouro?

Lucros efêmeros podem se transformar em prejuízo muito rápido. Por isso, se você for investir, fuja de negócios que estão na moda.

Isso não significa que seu negócio não pode se adaptar ou ofertar os produtos de maiores procuras. A ideia aqui é não usar o “hype” como base do seu estabelecimento. 

 

12. Não limite as formas de pagamento

Hoje em dia, muitas pessoas andam apenas com cartões no bolso, um dos motivos que fizeram a utilização dessa forma de pagamento crescer consideravelmente

Isso porque, a sensação de insegurança em andar com dinheiro vivo na carteira tem crescido cada vez mais, além da dificuldade de, muitas vezes, conseguir troco exato para o valor que está sendo gasto.

Por isso, aceitar cartões em seu estabelecimento significa garantir mais vendas. A partir do momento em que você só aceita dinheiro, muitas vendas são perdidas por limitar as opções de pagamento do cliente.

Segundo pesquisa recente, 82% dos consumidores escolhem o cartão para parcelar compras, e esse número já era previsível.

Em 2020 a quantidade de cartões de crédito e débito ativos cresceram 12% e 26% respectivamente.

Quando comparado com outros países da América Latina, o Brasil é a nação que mais usa o cartão de crédito, tanto em lojas físicas, como em e-commerces.

Mas isso não quer dizer o fim do dinheiro físico. Um estudo revelou que 71% dos pesquisados preferem o dinheiro em nota como meio de pagamento, que são restritos a lojas físicas.

Por outro lado, os cartões crescem como preferência: segundo os mesmos dados, o cartão de débito representa 66% e o de crédito 57% dentre os meios preferidos de pagar uma compra, por causa da praticidade e versatilidade (uso online e offline).

Em outras palavras: a diversidade das opções de pagamentos é essencial para vendedores e, portanto, é importante possuir uma maquininha ideal para o seu negócio.

Atualmente existem diversos planos e maquininhas, que são fáceis de manusear, não cobram taxa de aluguel, o que torna a maquininha uma propriedade do empreendedor.

Por isso, avalie as opções disponíveis e encontre a maquininha ideal para o seu negócio, mas não deixe de aceitar cartões!

 

13. Coloque a mão na massa

Faz parte dos custos de um estabelecimento o investimento em uma equipe preparada para atender as demandas de um empreendedor.

Se você optar por um estabelecimento comercial físico, você terá de arcar com segurança, garçom, cozinheiros, profissionais de limpeza, caixas etc.

Isso tudo custa dinheiro e muitas vezes este dinheiro não está disponível em sua conta.

Por isso, no início, é muito provável que você precise fazer parte de alguns setores do seu estabelecimento, principalmente se você optar por trabalhar apenas com delivery.

Por isso, se você não sabe cozinhar ou fazer um bom atendimento ao cliente, está na hora de começar a treinar para se tornar expert nessas tarefas!

A sua aproximação dos processos é essencial para manter o nível de qualidade desejado.

É através de seu olhar que você poderá moldar a política de seu estabelecimento e, quando ele crescer, você terá os processos na ponta da língua, compreendendo todos os pontos dele!

 

14. Controle as suas vendas!

A partir do momento em que você perceber que o seu negócio está indo de vento em popa, a quantidade de vendas irá crescer notavelmente.

Isso é um ponto extremamente positivo e o ideal é continuar no ritmo para que este número cresça cada vez mais.

Porém, é igualmente importante ter consciência se estas vendas estão sendo, de fato, pagas pelas operadoras de cartão que você contratou.

Pois, não adianta vender muito e receber pouco, correto? E é isso o que acontece com muitos empreendedores que não possuem o controle ideal de suas vendas.

Quem é dono de comércios, sabe que trabalhar com várias maquininhas é algo extremamente comum. Afinal, são várias opções no mercado e fazer o controle de várias ao mesmo tempo pode se tornar muito confuso.

Para tal, é válido pensar em investir em soluções como a Confere: uma plataforma de conciliação bancária e conferência de vendas voltada para os pequenos e médios empreendedores do Brasil.

Perfeita para seu restaurante, a Confere, além de saber se o que a operadora alegou que te pagaria realmente caiu em sua conta, você pode acompanhar as taxas cobradas por elas, sabendo se elas estão sendo de fato seguidas como foram acordadas.

Além disso, é possível ter uma visão do futuro de seu negócio, principalmente em vendas parceladas, que muitas vezes confundem o gestor por não ter controle de quanto certos pagamentos vão cair.

Essa visão do futuro auxilia o controle do seu fluxo de caixa e te permite pensar além, nos investimentos possíveis de serem feitos em seu estabelecimento. 

Confira outros benefícios que a Confere oferece para seu restaurante:

  • Checar se os valores repassados pelas operadoras do cartão estão corretos;
  • Verificar se as taxas administrativas, previamente negociadas, são as cobradas;
  • Conferir quantos cancelamentos de venda ocorrem por dia e como eles ocorrem;
  • Apontar em quantos cancelamentos de vendas o vendedor terá direito ao ressarcimento;
  • Identificar o surgimento de compras invalidadas;
  • Controlar as antecipações de recebíveis;
  • Mostrar quanto o lojista tem a receber futuramente pelas vendas atuais.

Além disso, para quem está começando, oferecemos uma planilha gratuita onde você poderá cadastrar vendas via débito, crédito à vista e crédito parcelado; recebimentos com data prevista para parcelas futuras e pagamentos separados por adquirente.

Adicione as taxas acordadas com cada operadora de cartão para cada modalidade de venda e transferência, e a planilha fará o cálculo automático com base nos dados inseridos.

Outros pontos que você encontrará na Planilha de Controle de Cartões da Confere:

 

  • Introdução: nesta aba você vai encontrar algumas instruções de uso sobre como aproveitar a sua planilha de controle de cartões;
  • Taxas: para cadastro de taxas para principais adquirentes. Você pode adicionar outras adquirentes nessa sessão, elas serão lidas na base de dados;
  • Base de dados: nessa seção, você vai adicionar todas as vendas realizadas com data, operadora, valor e parcelas (se houver);
  • Previsão de pagamentos: essa aba será alimentada a partir do que você insere nas outras abas e vai te mostrar os recebimentos de dois dias anteriores, o dia atual e dois dias posteriores.

Quer saber mais sobre a Confere? Assista na prática como a nossa plataforma funciona!

 

Conclusão

Ufa... Chegamos ao final de nossas dicas e esperamos que elas sejam de grande valor para o seu momento atual.

O caminho para empreender, principalmente no Brasil, é árduo e complicado, e as dicas descritas aqui possuem a intenção de te nortear nessa jornada.

Mas lembre-se, se você tiver um planejamento estratégico claro e um objetivo sólido em mente, você poderá alcançar o seu sonho de empreender antes mesmo do que imagina.

Como vimos, mesmo com pouco dinheiro, há maneiras de criar um estabelecimento rentável e consistente. Seja criativo para que seu restaurante seja competitivo e lembre-se: vale a pena arriscar, mas com passos planejados!