Saiba como negociar as taxas cobradas pelas operadoras de cartão

Por Miriam Barros

Na sua empresa, você sabe quais são todas as taxas que são cobradas pelas operadoras de cartão de crédito?

É muito comum que muitos empreendedores desconheçam quais são estas taxas. Por isso, se este for o seu caso, não se desespere: você não está sozinho.

Primeiramente, é importante saber quais são estas taxas e por quem elas são aplicadas.

- Taxas-base: são as taxas cobradas pelas bandeiras dos cartões e aplicadas por todas as operadoras. Estas taxas são difíceis de serem negociadas e, portanto, normalmente o que resta é aceitá-las.

- Taxas fixas: são as taxas determinadas pelas adquirentes e são cobradas pelos serviços prestados de pagamentos. Estas podem ser negociadas antes mesmo destes serviços serem contratados. São conhecidas entre estas taxas:

- Taxas de transação: percentual aplicado sobre cada venda;

- Taxas fixas: taxas fixas que são cobradas por alguns serviços, como aluguel de maquininha.

- Taxas ocasionais: elas não são cobradas irregularmente e acontecem mensalmente (exemplo: estornos de chargebacks)

As taxas não são as mesmas para todas as empresas. Por isso, é muito importante que você tenha conhecimento de quais são as taxas aplicadas ao seu negócio e como elas funcionam no seu contrato. Estas taxas fixadas estão abertas a serem negociadas com sua operadora, por isso não hesite em fazer suas propostas.

É importante ter consciência de que a taxa cobrada por operadoras de cartão para os estabelecimentos que as utilizam acabam influenciando diretamente o preço final dos produtos e serviços que são ofertados pela empresa contratante.

Por isso, ao abrir um negócio e passar a aceitar cartões, é imprescindível que essa variável faça parte da precificação de seus produtos. Mas saiba: é possível negociar estas taxas!

Para empresas que foram recém-abertas, a taxa inicial costuma ser aproximadamente 3,6%, aplicada em cima do valor de cada transação com cartão de crédito à vista. Para este tipo de venda, o lojista recebe o valor 30 dias após a venda.

Sobre este ponto em específico, é importante lembrar que muitas operadoras oferecem a entrega do valor em 1 dia útil. Porém, para estes casos, uma taxa ainda maior é cobrada para este tipo de transação que, por convenção, é denonimado de antecipação de recebíveis. Por mais que as operadoras não utilizem este termo para designar este tipo de serviço, as taxas tendem a ser abusivas e progressivas, em relação a quantidade de parcelas da venda realizada.

Para estes casos, é possível negociar a conhecida "taxa escalonada", que funciona com uma porcentagem definida para um certo número de parcelas, por exemplo: 1% a mais para vendas a crédito entre duas a cinco parcelas, 2% a mais para vendas a crédito entre seis e nove parcelas e 3% a mais para vendas a crédito entre dez e doze parcelas.

Já para transações em débito, a taxa costuma ser de 0,5% a 1% abaixo da de crédito. Este é um padrão e, até o momento, não fora registrada nenhuma taxa de débito que seja mais alta do que a de crédito, principalmente as parceladas, que tendem a ser as maiores.

Ao realizar vendas a crédito, principalmente vendas parceladas, é importante se ater ao cuidado com estes recebimentos, pois eles vão impactar diretamente o caixa da empresa. Para que a empresa possua um capital de giro saudável e não comprometa seus processos internos, é importante realizar diversas atividades que podem prever estas oscilações, como a projeção de fluxo de caixa em relação aos recebimentos futuros da empresa.

A partir da visão do período futuro, é possível se preparar para momentos de baixa de vendas sem parar as atividades da empresa. Por exemplo, é necessário ter dinheiro em caixa para pagar as despesas internas da empresa, como os fornecedores, salários e afins.

Nova call to action

Como negociar com as operadoras de cartão

Já existem diversas operadoras de cartão de credito no mercado e as mais conhecidas são, sem dúvidas, a Cielo, Rede, Getnet, Safrapay, entre outras.

É interessante trabalhar com mais de uma operadora, pois em certos casos compensa usar a maquininha de uma operadora, e em outros a maquininha de outra.

Procure ter, pelo menos, três meses de faturamento com a operadora que você pretende negociar as taxas. Não inicie a negociação de mãos vazias: apresente, por exemplo, a expectativa do volume de vendas para o período de um ano (valor médio das vendas, quantidade de vendas e faturamento).

Para levantar dados relevantes, conheça bem o seu negócio. Para tal, é importante identificar qual a opção de pagamento representa o maior volume de vendas da sua empresa (crédito, débito ou parcelado).

Se a modalidade de maior representatividade corresponder a, por exemplo, 60% das vendas, é interessante batalhar por uma taxa menor dentro desta modalidade, mesmo que as outras taxas continuem altas.

Além da questão do valor da taxa, outros fatores devem ser levados em consideração na hora de contratar os serviços de uma operadora: um bom atendimento, soluções adequadas para a sua empresa e tecnologia eficaz.

Mesmo que se trate de uma maquininha simples ou de soluções voltadas para vendas em comércio eletrônico com pagamentos feitos pela web, é importante calcular os custos e procurar negociar as taxas pelo menos uma vez ao ano.

Para toda e qualquer negociação, é necessário que ambas as partes estejam satisfeitas com o acordo, para que o serviço oferecido pelas operadoras seja de qualidade.

Explicando as taxas aplicadas

Primeiramente é importante compreender que cada modalidade de pagamento possui taxas diferentes a serem aplicadas sobre cada transação.

O custo para que uma venda a débito seja efetivada é diferente do custo de uma venda a crédito, assim como é diferente quando se trata de benefícios. Por isso, vamos explicar, de forma didática, como cada uma delas acontece.

 

Cartão de débito: entre as taxas que são cobradas pelas operadoras, as de venda por cartão de débito são as mais baratas.

Isso porque a transação ocorre diretamente entre as operadoras de cartão (Cielo, Getnet, Rede, Safrapay etc) e os bancos emissores (Bradesco, Santander, Itau etc).

Portanto, o pagamento sai imediatamente da conta do cliente e, em seguida, o banco envia a ordem de pagamento para a operadora. A operadora, então, processa a transferência do pagamento para o estabelecimento com um prazo de até 3 dias.

A taxa cobrada se aplica em cima da tecnologia utilizada para que o processo aconteça. É importante lembrar que, apesar de muito simples e prático, essas operações possuem custos altos para garantir a segurança dos dados envolvidos em todo o processo.

Por fim, o dinheiro é repassado do consumidor até o comerciante de forma rápida e, por isso, a operação se torna mais baratas, o que resulta em juros menores.

 

Cartão de crédito: as operações a crédito são um pouco mais complexas do que as de débito.

Neste caso, a taxa encarece por contarmos com mais um elemento dentro do processo: as bandeiras de cartão. Mastercard, Visa, Elo, Amex entre outras, são empresas que cedem os créditos.

A compra com cartão de crédito é feita da seguinte forma:

1 - O cliente vai até um restaurante e paga a sua refeição em uma maquininha de cartão da Getnet, com a bandeira Mastercard, à vista.

2 - A Getnet, então, acessa o banco de dados da Mastercard para verificar se existe limite para aquele cartão de crédito que está sendo utilizado

3 - Apenas para realizar essa transação, a Getnet precisa pagar uma taxa que gira em torno de 1 dólar para a Mastercard. Este custo, portanto, será adicionado à taxa cobrada pela transação para o lojista contratante.

4 - O consumidor vai pagar a fatura do cartão de crédito quando esta vencer. Em média, as faturas vencem em 15 dias, pois não se sabe se a compra foi feita próximo ou não do período de fechamento da fatura (que é de 30 dias).

5 - Quando o consumidor pagar a fatura (que, em média, será após 15 dias), o dinheiro sairá de seu banco e será entregue à Mastercard.

6 - A Mastercard, então, vai segurar esse dinheiro por mais 15 dias (em média) e pagará à Getnet em 30 dias. Quando este pagamento acontecer, a Cielo vai pagar o comerciante.

 

Por ser um processo que envolve mais partes do que a transação de débito, o custo das operações se torna maior. Afinal, é necessária uma segurança maior para lidar com os dados envolvidos nesta modalidade de transação. É importante salientar que mesmo se o consumidor não pagar a fatura do cartão, o comerciante irá receber em máxima segurança o valor, pois a Mastercard, neste caso, pagaria a Getnet do mesmo modo.

 

Cartão de benefício: Alguns cartões de benefícios são conhecidos no mercado, como o VR, Ticket, Alelo etc.

Curiosamente, essa operação é a mais cara de todas. Ela se assemelha à de crédito, porém quase sem nenhum risco de inadimplência. Afinal, são as operadoras que pagam essas faturas.

As empresas que trabalham com benefícios são nacionais, o que faz com que estas transações não contem com a taxa de dólar que são cobradas pelas operadoras internacionais.

Pensando por esse lado, a taxa dessa modalidade deveria ser uma das mais baixas, porém não é. Isso porque o preço cresce de acordo com o Valor percebido da empresa.

A quantidade de valor gasto através dos benefícios por trabalhadores que seguem horário comercial comum é enorme, visto que estes, caso não tivessem o benefício, provavelmente não comeriam fora todos os dias.

 

Planilha Controle de cartões

11 dicas para negociar com a operadora de cartão

O processo de apredizado anterior é importante para que você saiba exatamente como funcionam a aplicação das taxas que está prestes a negociar.

1. As tarifas são diferentes a depender do tipo de segmento do estabelecimento. Quanto menor for o ticket médio, maior será a taxa aplicada por cada transação. Mesmo que você seja dono de um negócio com ticket médio baixo, não encare isso como um obstáculo para a sua negociação.

2. Procure saber se o seu banco possui alguma opção de convênio ou parceria. Alguns trabalham com operações próprias que podem auxiliar as suas operações.

3. Argumentar com base em seu histórico de faturamento. Busque se informar sobre a média de faturamento do seu setor e, se seu estabelecimento estiver acima dessa média, esse já pode ser um ótimo argumento para negociar as taxas.

Procure ser firme, pois este é um dos pontos mais importantes a serem avaliados pela operadora a cobrar taxas da sua empresa: se você vende mais do que a média e seus clientes estão sempre dispostos a pagar mais para consumir em seu estabelecimento, você tem grandes chances de conseguir taxas menores.

4. Talvez a tarifa cobrada por transação não seja o maior dos seus problemas. Caso a sua empresa tenha um faturamento baixo, pense sobre outros gastos que também podem ser negociados como, por exemplo, o aluguel da maquininha que você utiliza. Negociar este gasto é mais simples e você pode conseguir bons descontos na hora de comprar ou alugar um equipamento.

5. Saiba exatamente qual é a modalidade de pagamento mais realizada em sua empresa. Se você vende muito mais a crédito do que a débito, o ideal é que você busque negociar as taxas cobradas pelas transações feitas a crédito. E vá além: se a maior parte das vendas a crédito forem feitas à vista, você pode segmentar ainda mais a sua estratégia de negociação.

6. Algumas dicas de conduta na hora da negociação valem ouro. Por isso, fique atento e saiba como agir quando for lutar pelo seu desconto:

7. Ouça bem o que o outro lado tem a dizer. Sua hora de falar chegará e você não precisa atropelar as outras partes em questão para defender seu ponto.

8. Não tome decisões precipitadas. É importante que nada fique fechado em apenas uma conversa, uma negociação. Muitas vezes, o sucesso vem através da construção da confiança entre ambas as partes.

9. Estude todos os seus pontos e saiba argumentá-los. Tenha em mãos todos os dados necessários e devidamente calculados para não chegar na conversa de mãos vazias e sem ter no que se apoiar.

10. Seja paciente e crie um relacionamento com a outra parte da negociação. Lembre-se que por mais que sejam interesses de duas empresas em questão, eles estão sendo representados por duas pessoas.

11. Saiba guardar seu melhor ponto para o final. Por exemplo: aquisição de outros produtos da operadora, fidelidade àquela empresa pelo seu estabelecimento.

Planilha controle de estoque

Se você não monitora suas taxas, pode estar perdendo dinheiro

A única forma de saber se você está sendo lesado pela cobrança indevida de taxas é acompanhando-as diariamente.

A quantidade de taxas é grande e, por isso, fica cada vez mais difícil realizar este controle de forma manual, mesmo com a ajuda de planilhas.

São operadoras, bandeiras, máquinas de cartão, enfim... Muitas entidades envolvidas na aplicação de taxas para cada venda sua. Por isso, é importante saber quais são estas taxas e como acompanhá-las, pois muitos empreendedores perdem bastante dinheiro com a falta de atenção para este fator.

É comum nos depararmos com taxas que foram cobradas com valores diferentes dos que foram acordados em contrato. Em outros casos, o contrato pode estar próximo de encerrar (ou já ter encerrado) e as taxas podem ter sido alteradas sem aviso prévio.

Com o avanço da tecnologia e dos meios de pagamentos, também foi necessário trabalhar no desempenho dos sistemas voltados para realizar o controle financeiro de forma automatizada para gestores e empreendedores que desejam tornar este controle mais rápido e prático.

Um exemplo de plataforma que realiza o controle e acompanhamento destas taxas é a Confere: nela, você pode cadastrar todas as taxas acordadas com as operadoras e acompanhá-las diariamente. Quando uma taxa for cobrada de forma indevida, a plataforma vai acusar esta cobrança e você poderá contatar a operadora para que o valor seja reavaliado.

Sabe-se que, quanto maior uma empresa, mais trabalho é exigido para que o a sua saúde financeira mantenha-se estável. Estes trabalhos, relacionados à rotina financeira de um negócio, tomam bastante tempo. Quando realizados de forma manual, eles tendem a correr graves riscos de inconsistência de dados, podendo resultar em prejuízos futuros ainda maiores.

 

Controle suas taxas com um conciliador de cartões!

Como foi comentado anteriormente, muitos dos gestores que acompanham taxas cobradas por operadoras realizam este controle de forma manual.

Apesar de ser uma tarefa válida, ainda assim o risco a se correr por erros humanos é grande e, muitas vezes, pode resultar em perda de tempo e dinheiro.

As soluções tecnológicas voltadas para controle financeiro são inúmeras e os benefícios que elas trazem são incontáveis. Por isso, reservei este espaço para citar os três principais benefícios de conciliar cartões de forma automática:

- Monitoramento de taxas com precisão de dados

Através da Confere, você pode cadastrar suas taxas e saber, sempre, quando elas estão sendo cobradas de forma indevida.

- Conciliação bancária automática

Com a Confere, é possível saber se você está, de fato, recebendo por tudo o que vendeu.

- Controle de vendas em cartão

Você pode controlar suas vendas em cartão, conferindo cada transação realizada em relação aos relatórios entregues por suas maquininhas. Se você utilizar um sistema de gestão (ERP), essa conferência pode ser feita de forma automática!

Sabemos que ser empreendedor no Brasil não é uma tarefa fácil. Por isso, buscamos oferecer uma solução que seja acessível e que auxilie o empreendedor a ter um controle financeiro consistente de sua empresa, livrando-o de possíveis prejuízos que ele pode encontrar no caminho trilhado sem este controle automatizado.

Quer saber mais sobre a Confere? É só clicar aqui para entender, na prática, como tudo funciona!

 

Nova call to action