Veja quais foram os produtos mais vendidos no Mercado Livre em 2021

Por João Barros

O Mercado Livre foi criado em 1999 e se destaca por ser uma das maiores plataformas de comércio eletrônico na América Latina. 

São milhões de vendedores ofertando por volta de 60 milhões de produtos. Mas, dentre estes, quais foram os mais vendidos em 2021?

Essa é uma boa pergunta para se manter atualizado e identificar oportunidades de negócios, esteja você um interessado em iniciar uma loja na plataforma ou mesmo já seja um lojista que deseja atualizar seu portfólio. 

Presente em 18 países, o marketplace argentino dispõe de tecnologia e serviços como Mercado Pago, Mercado Envios, Mercado Shops e Mercado Livre Publicidade.

Este ecossistema de serviços para comércios permite que empresas e pessoas possam comprar, vender, pagar, anunciar, enviar e gerenciar seu negócio a partir da plataforma.

De acordo com o site oficial, mais de 111 mil pessoas no Brasil possuem renda única ou principal proveniente do Mercado Livre.

Os dados são impressionantes. Para termos uma ideia, o faturamento das negociações movimentadas pela plataforma representa 0,12% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro.

Além disso, o marketplace registra mais de seis mil buscas por segundo, e deste total, nove compras são realizadas no mesmo período de tempo.

Com o crescimento expressivo do e-commerce e os recordes das vendas online, empreender pelo Mercado Livre é uma estratégia inteligente para os lojistas.

São 430 categorias e subcategorias de produtos e serviços que podem ser comercializados no marketplace. Ou seja: há espaço para todos os nichos.

Dito isso, saber quais foram os produtos mais vendidos no ano de 2021 é uma ótima maneira de estar por dentro das tendências e necessidades dos consumidores em geral.

Por isso, neste artigo trazemos a lista divulgada pelo próprio Mercado Livre sobre os produtos que mais foram vendidos na plataforma no ano passado.

Vamos lá?

Comércio eletrônico em dados

Segundo pesquisa da eMarketer, o Brasil ocupa o segundo lugar no ranking de países com maior crescimento previsto para este ano no e-commerce.

Esses dados são anteriores a pandemia que, por sua vez, gerou um impacto de crescimento para o setor diante do isolamento social.

Ainda em 2019, o crescimento do e-commerce no Brasil já apresentava dados relevantes.

As vendas online foram responsáveis por um faturamento de R$ 61,9 bilhões só naquele ano.

A Statista prevê um faturamento de US$ 5,6 bilhões no comércio eletrônico do país nos próximos anos e crescimento estimado de 7,25% entre 2021 e 2025.

Projeta-se ainda uma receita aquecida de US$ 7,4 bilhões no fim deste período.

É importante destacar que, embora o comércio digital cresce a cada dia, os pontos de venda físicos continuam sendo relevantes, e muitos integram digital e material. 

Nesse sentido, uma pesquisa feita pelo Euromonitor junto ao Google mostra que o varejo físico segue sendo essencial para o mercado, mas enfrenta baixas nas vendas.

De acordo com o estudo, em 2019, as vendas em lojas físicas representavam 71%. E agora a previsão é que esse número chegue a 58% até 2025.

Uma das razões para essa transformação de mercado inclui o fato de que a jornada do consumidor é mais fluida no ambiente digital, com novos modelos de compra que vem se consolidando no e-commerce brasileiro: da personalização à curadoria de produtos. 

Especialistas do Google ressaltaram ainda que lojas virtuais se destacam pela conveniência oferecida dentro de um ambiente de consumo mais dinâmico.

Já para os lojistas, os pontos de venda digitais representam economia com custos de aluguel, mas também a necessidade de atenção para o customer experience e para a criação de campanhas de engajamento.

Diante de todas as mudanças no varejo e a potencialidade do e-commerce brasileiro, explorar as plataformas de vendas online se torna essencial para os empreendimentos nesse novo contexto. 

E isso, naturalmente, inclui o Mercado Livre e outros marketplaces.

Produtos mais vendidos em 2021 no Mercado Livre

As vendas no ano de 2021 no Mercado Livre mostraram um novo perfil de consumidores e os itens de supermercados foram grandes destaques.

Em nota à imprensa, o vice-presidente sênior e líder do Mercado Livre no Brasil diz que estes dados podem revelar um novo estilo de vida dos brasileiros.

O vice-presidente também divulgou dados das vendas de alimentos e bebidas na temporada de Black Friday do ano passado, que chegou a bater 300% em crescimento.

Na América Latina, os itens mais vendidos durante o ano foram os equipamentos de proteção contra o coronavírus (Sars-CoV-2).

Apresentamos agora os produtos mais vendidos do ano, as palavras mais buscadas e uma lista de categorias com link para seus respectivos produtos mais vendidos.

 

Produtos mais vendidos no ano de 2021

Abaixo, listamos os produtos mais vendidos nos meses de ano de 202

     1. Janeiro - máscaras descartáveis;

     2. Fevereiro - HDs;

     3. Março - Oxímetros de pulso;

     4. Abril - Leite condensado e cerveja;

     5. Maio - Leite condensado e bolachas de chocolate;

     6. Junho - Cervejas e máscaras N95;

     7. Julho - Cervejas e detergente líquido;

     8. Agosto - Cervejas e leite condensado;

     9. Setembro - Bolachas de chocolate e MOPs

     10. Outubro - Máscaras N95;

     11. Novembro - Leite Condensado e café moído;

      12. Dezembro - Azeites;

Buscas mais populares no Mercado Livre

É interessante também observar a lista de palavras mais buscadas no Mercado Livre. Confira algumas delas:

Tendência de cada categoria

Clicando nas categorias de interesse do Mercado Livre, é possível ver também quais foram seus produtos mais vendidos e buscados. Veja:


Bônus: 3 Dicas para vender mais no Mercado Livre

Para quem tem interesse no mercado digital, é importante não somente saber o que mais se vende no Mercado Livre, mas também qual é a melhor maneira de empreender nessa plataforma.

Marketplaces são sites que funcionam como um shopping center virtual, nos quais milhares de vendedores oferecem produtos para os mais diversos tipos de público.

Devido a sua popularidade e estrutura que serve de vitrine para anunciantes que não possuem loja virtual ou utilizam a plataforma numa estratégia multicanal este é um espaço bem competitivo.

Para te ajudar nesta jornada, separamos algumas dicas complementares!

#1. SEO

O SEO é a estratégia para direcionar tráfego para a sua loja. É uma estratégia que traz resultados a médio/longo prazo, mas com resultados duradouros e poderosos. 

Otimizar a descrição do produto para SEO significa investir para ganhar mais visibilidade e se destacar nas pesquisas, aumentando o alcance dos seus produtos e as vendas.

Vale destacar que esse posicionamento é orgânico: ou seja, além de aumentar as chances de sucesso da sua loja, você economizará recursos com mídias pagas.

Algumas dicas para aproveitar o poder do SEO:

  • Crie títulos das suas páginas de acordo com as palavras-chaves selecionadas. A sua página principal deve ter a palavra-chave principal do seu negócio. 
  • Coloque boas descrições dos produtos internamente e externamente, também com palavras-chaves. (conhecida como meta descrição);
  • Otimize e crie boas as imagens para que elas apareçam no Google Imagens;
  • Coloque avaliações de clientes, isso ajuda na construção de autoridade da sua loja.

#2. Ficha técnica

Ter um anúncio rico em informações garante que você dispute bem o topo das vendas. Parece óbvio, mas muitos lojistas ignoram essa parte do processo. 

Um erro muito comum é não adicionar fotos e descrições originais nos seus itens, e as falhas mais correntes na hora de adicionar cada produto no catálogo são as seguintes:

  • Inserir informações mínimas e com pouco valor comparativo para os clientes;
  • Utilizar somente a descrição do fabricante;
  • Utilizar termos genéricos;
  • Mentir sobre o produto;
  • Deixar o campo de descrição em branco.

Como resultado, eles acabam procurando mais informações fora do seu site e até mesmo desistindo da compra.

Por isso, preencha a ficha técnica do seu produto com informações reais e corretas, assim, você aparecerá com mais frequência nas buscas e o cliente terá mais confiança. 

Considere, por exemplo:

  • Detalhes técnicos de produtos;
  • Peso, tamanho, cor;
  • Matéria prima;
  • Local de fabricação;
  • Marcas;
  • Prazos de garantia e de entrega;
  • Custos de envio e avaliações de outros consumidores.

#3. Invista nas fotos

A primeira impressão é a que fica e quando se trata de vendas, essa frase nunca pode ser ignorada. 

Portanto, não deixe de investir em boas fotos como elemento-chave para agregar valor a sua mercadoria.

Seu cliente quer olhar o produto que está procurando de todos os ângulos possíveis.

Por isso, é importante, além de investir em fotos de boa qualidade, tentar ser o mais transparente possível com elas.

Se você vende vasos, que tal tirar fotos que mostrem eles sendo utilizados dentro de um cômodo? 

Tirar fotos junto de outros produtos é também interessante para que o cliente tenha uma boa noção de perspectiva e tamanho.

Conclusão

Estudar as tendências de mercado de um segmento é fundamental para qualquer negócio e isso vale para o e-commerce.

Nesse sentido, pesquisar os produtos mais vendidos e buscados no Mercado Livre pode ser uma ótima ferramenta de apoio para as suas vendas.

Mas, além disso, certifique-se de fazer um bom planejamento, invista no marketing e em um bom atendimento para não perder bons negócios. 

Lembre-se: com planejamento, estudo do mercado e uso das melhores ferramentas, suas chances de crescer serão muito mais significativas. Neste sentido, o Mercado Livre combinado com o suporte de uma plataforma eficiente de loja online como a Confere SHOP, pode ser a equação perfeita para o seu sucesso. 

 

Este texto foi escrito por João Barros.