Como repassar a taxa de cartão ao cliente do seu e-commerce?

Por Miriam Barros

Devido a mudanças legislativas recentes, ainda há dúvidas sobre a legalidade de se repassar a taxa de cartão para o cliente, incluindo em compras feitas pelo e-commerce.

Atualmente, uma loja pode oferecer diferentes meios de pagamentos, como boletos, PIX, cartão de débito e de crédito, etc.

Entre eles, cada um possui suas vantagens, praticidades, mas também, cada um envolve seu custo operacional.

De um lado, há clientes confusos quanto a variação no preço de produtos conforme o meio de pagamento, do outro, lojistas se perdendo nos processos.

Esse cenário é totalmente compreensível, visto que, somente em 2017, foi sancionada a lei que permite a diferenciação de preços.

Entretanto, não basta saber a legalização, é preciso entender os detalhes legais, assim como o processo transparente de repasse da taxa de cartão ao cliente.

Dessa forma, seu e-commerce não sofrerá perdas financeiras, e ainda oferece ao consumidor uma boa experiência de compra, uma vez que tudo é bem esclarecido.

Portanto, continue a leitura para ficar por dentro do assunto!

Loja online gratuita Confere Shop

O uso de cartões em compras online

O cartão é o meio favorito para a realização de compras online – principalmente na função de crédito.  

Uma pesquisa indica que 82% dos consumidores escolhem o método e investem no parcelamento. Além disso, 41% dizem fazer isso sempre que podem. 

Desde 2015, as vendas com cartão de crédito sofreram aumento de pelo menos 9% em relação ao ano anterior, segundo a Abecs.

Com o aumento da demanda, consequentemente, surgiram diversas máquinas de cartão e métodos de controle de vendas.

Este é um meio de pagamento conveniente e sua loja online perderá muito se não entender como fazer a conciliação das vendas via cartões. 

Logo, os lojistas precisam controlar cada taxa de cartão aplicada pelas operadoras para manter o equilíbrio no negócio.

Entendendo a Lei

Há cinco anos, em junho de 2017, foi sancionada a Lei 13.455/17 que possibilita a diferenciação de preços de mercadorias conforme as modalidades de pagamento.

Isso significa que é permitido que os lojistas repassem as taxas de cartão de crédito ou débito, levando em consideração também o prazo de vendas parceladas.

No mesmo documento, a lei também sinaliza a obrigação da transparência dessas informações ao consumidor. 

Caso não seja esclarecido no momento da compra, o ato se torna ilegal.

Ou seja: é fundamental que o estabelecimento, físico ou e-commerce, disponibilize as condições de pagamento e a taxa praticada de cada cartão.

Como é calculada a taxa de cartão?

Como mencionado anteriormente, é importante compreender que cada modalidade de pagamento possui taxas diferentes a serem aplicadas sobre cada transação.

O custo para que uma venda a débito seja efetivada é diferente do custo de uma venda a crédito.

Por isso, vamos explicar, de forma didática, o que é levado em conta para a cobrança da taxa de cartão. 

 

Cartão de débito

Entre as taxas que são cobradas pelas operadoras, as de vendas por cartão de débito são as mais baratas.

Isso porque a transação ocorre diretamente entre as operadoras de cartão (Cielo, Getnet, Rede, Safrapay, etc.) e os bancos emissores (Bradesco, Santander, Itaú, etc.).

Portanto, o pagamento sai imediatamente da conta do cliente e, em seguida, o banco envia a ordem de pagamento para a operadora. 

A operadora, então, processa a transferência do pagamento para o estabelecimento com um prazo de até 3 dias.

A taxa cobrada de cada cartão se aplica em cima da tecnologia utilizada para que o processo aconteça. 

Vale ressaltar que, apesar de muito simples e prático, essas operações possuem custos altos para garantir a segurança dos dados envolvidos em todo o processo.

Por fim, o dinheiro é repassado do consumidor até o comerciante de forma rápida e, por isso, os juros são menores e a operação se torna mais barata.

 

Cartão de crédito

As operações a crédito são um pouco mais complexas do que as de débito.

Isso porque a taxa encarece por contarmos com mais um elemento dentro do processo: as bandeiras de cartão

Mastercard, Visa, Elo, Amex entre outras, são empresas que cedem os créditos, e a compra com cartão de crédito é feita da seguinte forma:

#1. O cliente vai até um restaurante, por exemplo, e paga a sua refeição em uma maquininha de cartão da Getnet, com a bandeira Mastercard, à vista.

#2. A Getnet, então, acessa o banco de dados da Mastercard para verificar se existe limite para aquele cartão de crédito que está sendo utilizado.

#3. Apenas para realizar essa transação, a Getnet precisa pagar uma taxa para a Mastercard.

Este custo, portanto, será adicionado à taxa cobrada pela transação para o lojista contratante.

#4. O consumidor vai pagar a fatura do cartão de crédito quando esta vencer. 

#5. Quando o consumidor pagar a fatura, o dinheiro sairá de seu banco e será entregue à Mastercard.

#6. A Mastercard, então, vai segurar esse dinheiro por mais 15 dias (em média) e pagará à Getnet em 30 dias. 

Quando este pagamento acontecer, só então será feito o pagamento ao o comerciante.

Por ser um processo que envolve mais partes do que a transação de débito, o custo das operações se torna maior. 

Afinal, é necessária uma maior segurança para lidar com os dados envolvidos nesta modalidade de transação. 

É importante salientar que mesmo se o consumidor não pagar a fatura do cartão, o comerciante irá receber em máxima segurança o valor, pois a Mastercard, neste caso, pagaria a Getnet do mesmo modo.

 

Cartão de benefício

Alguns cartões de benefícios são conhecidos no mercado como o VR, Ticket, Alelo etc.

Curiosamente, essa operação é a mais cara de todas. Ela se assemelha à de crédito, porém quase sem nenhum risco de inadimplência. 

Afinal, são as operadoras que pagam essas faturas.

As empresas que trabalham com benefícios são nacionais, o que faz com que estas transações não contem com a taxa de dólar que é cobrada pelas operadoras internacionais.

Por outro lado, o que encarece a taxa dessas modalidades de cartão são a concorrência e o próprio valor percebido da empresa.

Como repassar a taxa de cartão com transparência?

Cada maquininha de cartão possui uma taxa para cada transação, por isso, o primeiro passo é dominar esses custos para não lesar nenhuma das partes.

Sabemos como é difícil ficar por dentro de todas as particularidades de cada operadora de cartão.

Afinal, são muitas maquininhas e muitas taxas que mudam com alguns meses de uso.

Foi pensando nisso que criamos um guia e decidimos eleger as operadoras que oferecem a melhor solução de pagamentos com as taxas mais acessíveis do mercado.

Neste guia, falamos sobre as soluções de pagamento das principais operadoras de cartão do mercado, além de analisar suas taxas e portais.

Com ele, você terá um panorama completo de cada taxa de cartão aplicada pelo mercado e poderá ser transparente com seu cliente na hora do repasse desse custo.

Acesse aqui o Ranking Confere: maior e mais completo guia comparativo de maquininhas de cartão!

Confere Shop loja online grátis

A importância de acompanhar as taxas por bandeira e operadora

Mas é importante salientar que esse acompanhamento deve ser contínuo.

Um dos erros mais recorrentes no controle financeiro, aliás, é a falta de acompanhamento das taxas cobradas pelas operadoras de cartão. 

Muitos lojistas desconhecem ou não controlam o valor das taxas das transações por bandeira e operadora, e acabam descuidando desse segundo passo.

No entanto, tal acompanhamento é um dos passos mais importantes na conciliação de cartões.

Isso porque as taxas cobradas influenciam no preço final do produto e no fechamento do caixa.

E, muitas vezes, elas são cobradas sem que o empreendedor tenha conhecimento disso.

Por exemplo, a adquirente é contratada por uma taxa de 3% na transação, mas, foram descontados 3,5%. 

Sem uma conciliação de cartões rotineira, esse valor pode passar despercebido. Por isso, é importante comparar o valor recebido com o valor previsto para conferir a taxa.

Automatize o acompanhamento de taxas com a Confere 

A automação de processos é um passo importante para você deixar as operações da sua empresa mais eficientes.

As planilhas manuais, no geral, são muito complexas e, na correria do dia a dia, podem acabar virando um obstáculo para a sustentabilidade financeira do seu negócio.

Por isso, se sua empresa não possui nenhum sistema de conciliação de cartões ou perde muito tempo com o processo, o ideal é modificar os métodos utilizados.

A conciliação de cartões automatizada verifica a situação da operação realizada por meio de cartão de crédito ou débito.

Dessa forma, esse método permite acompanhar as taxas cobradas pelas operadoras com precisão, possibilitando ao lojista uma visão clara de todas as entradas e saídas de caixa.

A Confere Cartões disponibiliza uma ferramenta completa que sincroniza diariamente todos os dados das suas maquininhas, tanto das vendas quanto dos recebimentos.

Em um único lugar, é possível visualizar as suas informações de vendas com cartão (incluindo cada taxa) de todas as suas máquinas e de todos os CNPJs.

Se você trabalha com uma, duas, três ou mais maquininhas, tudo bem! Nós centralizamos todas as informações de vendas na mesma plataforma.

Fora isso, pode-se cadastrar as taxas acordadas com cada operadora, e automaticamente o sistema calcula se o valor aplicado está correto.

Assim, você repassa as taxas ao cliente de modo eficiente e coerente. 

Repasse as taxas de cartão do seu e-commerce com agilidade

Além do acompanhamento, lojistas da Confere SHOP poderão simplificar o processo de repasse da taxa de cartão de modo bastante simples.

Ao precificar o produto de seu e-commerce, basta configurar o preço de acordo com a forma de pagamento. 

Um exemplo: se um produto pago à vista custa R$ 100,00 e tem taxa de 5% ao ser parcelado em 6 vezes, basta atualizar o preço para R$ 105,00 no pagamento parcelado com cartão. 

E tudo isso de modo intuitivo, melhorando ainda mais sua experiência de gestão no e-commerce

Conclusão

Como vimos, o uso de cartões de débito e crédito aumentou consideravelmente, tornando-se um meio de pagamento essencial para os estabelecimentos de varejo.

Para uma loja virtual, os pagamentos com cartões são impulsionadores do crescimento das vendas, mas para expansão do negócio não basta somente ter essa opção.

Como pontuado anteriormente, é necessário fazer um acompanhamento rotineiro para analisar as taxas cobradas por cada operadora, isso porque elas podem variar com o tempo.

Com estes dados, você consegue planejar como fará o repasse das taxas, e como deixá-las visíveis e bem esclarecidas para os consumidores.

Vale ressaltar que fica a critério do lojista determinar se repassará o valor integral, arca com os custos ou até mesmo divide o valor.

De qualquer forma, atente-se para as regulamentações para que seu e-commerce consiga repassar a taxa de cartão ao cliente com transparência, evitando assim riscos para o seu crescimento!
Nova call to action

Este texto foi escrito por João Barros.