Como os segmentos estão sendo impactados com a crise mundial

Por Miriam Barros

Não é novidade que, com a chegada da crise gerada pelo novo coronavírus, também conhecido como Covid-19, a maioria dos setores foram impactados,

Afinal de contas, procurando medidas para reduzir a disseminação da doença e evitar aglomerações, a Organização Mundial da Saúde (OMS), junta ao Ministério da Saúde, estabeleceram uma série de recomendações.

E por conta de todas as mudanças, enquanto algumas empresas decidiram adotar o modelo home office e continuar atuante no mercado, outros negócios de atividades operacionais, como os que fabricam produtos industriais ou fazem tratamento de efluentes, entre outros, tiveram que reduzir sua carga horária, revezar colaboradores ou suspender suas atividades.

Ou seja, o cenário não é dos melhores. No entanto, uma coisa é certa para se fazer neste momento de crise: esteja preparado para todas as mudanças e contingências, além de ter um plano de ação adequado para enfrentar a crise da melhor maneira possível.

Pensando nisso, procurando contribuir com a redução do impacto negativo sobre a economia nas empresas, vamos explicar quais são os setores mais afetados pela pandemia e direcionar algumas dicas relevante para os empreendedores dos ramos. Vamos lá?

Fluxo de Caixa Confere

Serviços de alimentação

Restaurantes, praças de alimentação e outros serviços de alimentação presencial estão sendo diretamente impactados pela crise do coronavírus.

Segundo o presidente da Abrasel, Paulo Solmicci, em uma entrevista para a Agência Brasil: “O setor de alimentação fora do lar já começou a ser impactado pelos efeitos da disseminação do coronavírus, mas a média do Brasil ainda não chega a 15% de queda”.

Além disso, ele também enfatiza que o impacto será muito relativo, de acordo com a região. No entanto, os locais mais afetados até o momento foram em shopping centers: “Entendemos que a queda de faturamento acontecerá, e acreditamos que vai se estabilizar em torno de 30%”, acrescentou.

Por isso, uma dica para os empreendedores do ramo de alimentação é investir no delivery, que por sua vez, só cresce na crise. Amplie a higiene nas cozinhas e busque fontes alternativas de suprimentos.

Construção civil

Segundo a pesquisa do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre/FGV), o setor de construção está entre os mais impactados pela pandemia. Ao total, houve um impacto negativo de 94,3%.

Além disso, empresas do ramo industrial que fabricam recursos, equipamentos e máquinas para o ramo de construção civil, como no caso da fabricação de rachador de lenha, também estão em queda.

Neste momento, estar presente nos meios online é essencial para informar os seus clientes e criar estratégias de posicionamento no mercado.

Produtos e serviços de moda

De acordo com uma pesquisa do Sebrae, já na primeira semana de fechamento do comércio, a queda de faturamento no setor da moda foi de 74%. Além do comércio, as indústrias fabricantes de cosméticos e produtos de beleza também entrou em queda.

Assim como o setor de alimentação, investir em delivery e reforçar a higiene e medidas de proteção contra o vírus se mostra essencial.

Turismo

Segundo um estudo realizado pela FGV Projetos, o turismo no brasil deve ter queda de 38,9% nos ganhos. Com o isolamento social aplicado, milhares de pessoas deixaram de realizar compras por passagens e investir na locação de hotéis.

Entretanto, se seu negócio de turismo quer se destacar diante da crise, defina políticas de cancelamento ou adiamento com seus clientes, implemente comunicados claros sobre a crise e invista na comunicação com os clientes!

Por fim, independente do seu segmento, seja comércio, indústria de conexões pneumáticas, agência de publicidade, entre outros, não deixe de planejar novas ações contra a crise e se aliar as inovações tecnológicas para continuar atuando no mercado! E aí, gostou do post? Conta pra gente!

Nova call to action

Esse artigo foi escrito por Rafaela Ricardo, Criadora de Conteúdo do Soluções Industriais.